Pontos Cantados Caboclos

Pontos Cantados Caboclos – Clique aqui e escute nossa playlist Youtube

Caboclo Mata Virgem

Okê Okê Caboclo
Seu Mata Virgem na raiz da Urucaia
Mas ó que lindo caçador
Naquelas matas onde a Coral piou

Caboclo venceu demanda

Caboclo venceu demanda
Para o povo de Umbanda
Na ponta da sua flecha
Quando veio de Aruanda
Venceu… Caboclo venceu
No fundo da mata virgem
Oxalá gritou, Esse filho é meu !!!
Esse filho é meu Esse filho é meu

Caboclo Tupinambá e Caboclo Pena Verde – Na mata eu vi

Na mata eu vou, um arco iris de pena
Tocando uma tambora, o dia inteiro sem parar
Era Tupinamba auê auê
Pai de toda Jurema
Chamando os caboclos de pena
Para vir neste conga
E quando a tambora ressoava
Os caboclos preparavam seus trabalhos com fervor
E quando a tambora ele tocava
Pena Verde abençoava essa ajuda de amor 

Caboclo não tem caminho para caminhar

Caboclo não tem caminho para caminhar,
Caboclo não tem caminho para caminhar,
Caminha por cima das folhas,
Por baixo das folhas,
Por todo lugar.
Caminha por cima das folhas,
Por baixo das folhas,
Por todo lugar.
Okê, caboclo. 

 Caboclo Rei do Arerê

Auê cauena
Eu vi caboclo na mata eu vi
Caboclo dizendo que era Tupi,
Mas ele é o rei do arerê

 Arranca Toco vem da mata

Seu arranca toco quando vem da mata
ele tras viva uma cobra coral
Seu arranca toco quando vem da mata
ele tras viva uma cobra coral
Ó é uma cobra coral
Ó é uma cobra coral

 Caboclo Sete Flechas e Cobra Sucuri

Caboclo Sete Flechas nasceu
No jardim das Oliveiras
Trazia amarrado em sua cinta uma Coral
Ô Sucuri, Jibóia na aldeia
Ô Sucuri, Jibóia
Quando vem beirando o mar
Olha como encorporou  a sua cobra coral
Oi segura essa cobra não deixa ela fugir
Que o nome dessa cobra é cobra sucuri

 Caçador na beira do caminho

Oi caçador na beira do caminho
Oi não me mate essa coral na estrada
Se ela abandonou sua xôpana, oi caçador,
Foi no romper da madrugada

 Caiu uma flecha na Jurema

Caiu uma flecha na Jurema
Veio o sereno e molhou
E depois veio o sol enxugou enxugou
E a sua mata se abriu toda em flor
Caiu…..

—xx—

Jurema e Jandira – Caboclas

Jurema vem trazendo as rosas
Jandira é quem traz o jasmim,
As duas nas Umbanda são irmãs
Minhas caboclas tenham pena de mim

 Jurema filha de Tupi

Dentro da mata virgem
Uma linda cabocla eu vi
Com seu saiote, Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Com seu saiote, Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Jurema. Jurema , Jurema
Linda cabocla, filha de Tupi
Ela vem, lá da Juremá
Vem firmar seu ponto
Nesse congar
Ela vem, lá da Juremá
Vem firmar seu ponto
Nesse congar

 Caboclo Sete Flechas no Congá

Ê, ê, ô, Caboclo Sete Flechas no Congá
Ê, ê, ô, Caboclo Sete Flechas no Congá
Sarava Seu Sete Flechas, ele é o Rei da mata
O seu bodoque atira oi paranga, sua flecha mata

Na beira do Rio Caboclo Tupinambá

Estava na beira do rio
Sem poder atravessar
Chamei pelo Caboclo
Caboclo Tupinamba
Tupinamba chamei
Chamei tornei chamar eeeeaaa

Ô Juremê, Ô Juremá

Ô Juremê, Ô Juremá
Suas flechas caiu serena Jurema
Dentro desse congá
Saravá Seu sete flechas que ele é rei das matas
Saravá essa cabocla que é também dona das matas

 

 Tupinambá é canga na batalha

Tupinambá é canga na batalha
Tupinambá ee Tupinambá
Tupinambá guerreiro de Oxóssi
Tupinambá ee Tupinambá
Tupinambá quebra uma demanda
Tupinambá ee Tupinambá
Tupinambá vem defender seus filhos
Tupinambá ee Tupinambá
Só não apanha, Folha da Jurema
Sem ordem suprema, Do Pai Oxalá
Só não apanha, Folha da Jurema
Sem ordem suprema, Do Pai Oxalá

 Vestimenta de caboclo

Vestimenta de caboclo é samambaia
É samambaia, é samambaia.
Venha caboclo, não se atrapalha,
Saia do meio da samambaia

—XXX—

Jupira passar

Ea Ea ea boca da mata
Deixa a Jupira Passar
Boca da mata

 Olha a Macaia Caboclo Tira Teima

Olha a Macaia ah
Olha a Macaia ê
Saravá Oxóssi
Meu caboclo Saravá
Saravá toda a Macaia
Com licença de Oxalá
No seu terreiro seu ponto veio firmar
Saravá seu Tira Teima
Que ele veio trabalhar

 Jurema filha de Tupi (versão 02)

No centro da mata virgem
Uma linda cabocla eu vi
Com seu saiote
Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Com seu saiote
Feito de penas
É a Jurema filha de Tupi
Jurema. Jurema , Jurema
Ela é cabocla na lei suprema
Jurema. Jurema , Jurema
Ela é caboclo na lei suprema

 Caboclo Suará

Suará …ê ê ê …Suará
Suará da mães de Deus,
Suará…
Ê – ê ê …Suará..
É- ê- ê …Suará…
Você diz que é da lei – Suará
No terreiro eu sou rei- Suará
tenho o meu corpo fechado – Suará
Por um santo respeitado- Suará (bis)

Eu agora vou-me embora – Suará
Que já está chegando a hora – Suará
Pois é certo a minha glória – Suará
Por que conto com a vitória – Suará

 Caboclo das Sete Encruzilhadas (LOUVOR)

Um índio caboclo guerreiro um jesuíta que Zambi enviou
com sua força e sabedoria abraçou a Umbanda com o seu amor
No dia 15 de novembro Zélio de Moraes teve a incorporação
foi em 1908 no bairro de Neves uma revolução
Houve muita discórdia no centro de mesa com a revelação
quando ele disse, eu vim cumprir a missão
de fincar a bandeira da nossa nação
Vitória meu pai, vitória de um índio guerreiro um desbravador
Caboclo das Sete Encruzilhadas que plantou a semente que se alastrou
Um índio caboclo guerreiro um jesuíta que Zambi enviou
com sua força e sabedoria abraçou a Umbanda com o seu amor
Umbanda é amor, fraternidade
Umbanda é bondade é determinação
é trabalhar em prol da caridade para os nossos guias
dá-nos evolução
São glórias meu pai, são glórias
São glórias para homenagear
Caboclo das Sete Encruzilhadas
neste solo sagrado de Pai Oxalá (Um índio…)

 Onde a flecha caiu
Caboclo Flecha VermelhaEle atirou
Ele atirou e ninguém viu
Flecha Vermelha é quem sabe
Aonde a flecha caiu
Ele atirou..

Caboclo Ubiratan foi na pedreira

Foi na pedreira que a pedra rolou
Foi na pedreira que a pedra balanceou
Seu Ubiratan e o Rei Nago ê ê
Seu Ubiratan chegou
Ele vem para ajudar
ô ele vem para saravar
Foi na pedreira que a pedra rolou
Foi na pedreira que a pedra balanceou
Seu Ubiratan e o Rei Nago ê ê
Seu Ubiratan chegou
Ele vem para ajudar
ô ele vem para saravar

 Cobra Coral é nosso protetor

Mas como é lindo
Assistir festa na mata
Ouvindo o som da cascata
O lindo canto do sabiá
Que noite linda
Que linda noite de luar
Foi no clarão da lua
Que eu vi Cobra Coral passar
A mata estava em festa
Toda coberta de flores
Ate os passarinhos cantam, cantam os caboclos
Mas eles cantavam em seu louvor
Oh, oh, oh, oh quanta beleza
Oh, oh, oh, oh quanto esplendor
Como é bom ter a certeza
Que Cobra Coral é nosso protetor

 Capangueiro da Jurema

A estrela lá no céu brilhou.
E a mata estremeceu.
Aonde anda o capangueiro da Jurema.
Que até agora não apareceu

—XX—

Uirapuru cantou na serra – Caboclo Tupinambá

Uirapuru cantou na serra,
A mata silenciou
Foi quando Tupinamba
Na aldeia ele chegou.
Caboclo ta guerriando,
Guerriando sem parar,
Protegendo os seus filhos
É o rei Tupinanba.

 Ubirajara vai embora

Ubirajara vai embora o que lhe dão pra levar
Se lhe dão flores brancas ou raiz do juremá
Ubirajara vai embora ele vai sem imaginar
Vai pela margem do rio pelo pio da Coral

 Caboclo Pena Verde e Pena Branca
      Na margem de um rioEu vi na margem do rio
Em linda manhã serena
Caboclo seu Pena Verde
Firmando ponto na areia
Galo cantou na serra
A mata estremeceu
Caboclo seu Pena Branca
na cachoeira apareceu
Ele é caboclo guerreiro que mora no rochedo
Somente cobra coral conhece dele o segredo

 Caboclo Jaguarão da Pena Dourada

Seu irmão é flor do dia
Flor da manhã e Pena Dourada
Ele é o orvalho da noite
Sereno da madrugada
Mundeira alumeia o mundo
Helena a imensidão
Papaceia vem girando
Chefe guerreiro, Índio Jaguarão

 Caboclo Jequiriçá

Sereno que cai, são horas, é madrugada,
Sereno que cai, nas matas do Uruguaia
Como caminha, como caminhou,
Caboclo Jequiriçá, na hora divina ele sempre chegou
Como caminha, como caminhou,
Caboclo Jequiriçá, na hora divina ele sempre chegou

 Caboclo Pena Dourada – Aldeia Tupiniquim

Na sua aldeia tem tupiniquim,
Na sua mata tem tucurucum,
No seu saiote tem pena encarnada,
No seu penacho tem pedra dourada.
Na mandaqué tem penas carijos
E atravessas as margens das cachoeiras
Ele vem no alto daquela serra
Ele vem da selva morena

 Ubirajara Caboclo Valente

Estrela D’Alva é sua guia
Ubirajara é caboclo valente
Mora lá na mata
Lá na grota funda
Lá no fim do mundo

 Ele vem caminhando no passo da Ema

Alumeia o mundo Helena
Enquanto a lua não vem Helena
Alumeia o mundo Helena
Enquanto a lua não vem Helena
Que ele vem caminhando Helena
Vem no passo da ema Helena
Que ele vem caminhando Helena
Vem no passo da ema Helena

 Jurema Rainha do meu jacutá

Ela vem de longe de longe,
Sem imaginar, no capacete 3 penas
no braço uma cobra coral
Ela e a Jurema, no seu Juremá
Cabocla suprema rainha do seu Jacutá
O meu pai é ganga, minha mãe é guinga
Eu também sou filho de ganga zumbá
Re, re, re ,re, re, re, re, re, re, ra
O meu pai é neto, filho da cobra coral
Re, re, re ,re, re, re, re, re, re, ra
O meu pai é neto, filho da cobra coral

 Ubirajara da Jurema

 É ele Demoragy. Que vem do Uruguaia, sua aldeia.
 É ele Demoragy, Ubirajara da Jurema.
 É ele Demoragy. Que vem do Uruguaia, sua aldeia.  
 É ele Demoragy, Ubirajara da Jurema.
 Ele é caboclo guerreiro que veste penas.
 O seu cocar quem lhe deu foi Oxalá.
 Ele caminha de leve na folha seca.
 É Ubirajara dentro do seu Juremá.

 Caboclo Roxo

Caboclo roxo, da cor morena
Se ele é casuté, casuté da Jurema
Ele jurou, e tornou a jurar
Que ia ouvir os conselhos que a Jurema lhe dá
Ele é Oxossi dorme na macaia
Ele é caqboclo em qualquer lugar
Ele não apanha folha da Jurema
Sem ordem suprema de Pai Oxalá

 Caboclo Juremeiro

Ele é caboclo, ele é juremeiro
E na alvorada tem penas carijós.
Ele é caboclo, ele é juremeiro
Que na alvorada tem penas carijós.
Vadeia ôi Vadeia Ôi
Vadeia meus caboclos na Aldeia
Vadeia Ôi Vadeia ôi
Vadeia como vento na areia
Vadeia meus caboclos vadeia
Os caboclos na Aldeia
E a sereia na areia

 Chamada Caboclo Pedra Branca

Estrela Dalva quando brilha
Chamou seu Pedra Branca
Estrela Dalva quando brilha
Chamou seu Pedra Branca
Chamou papai de Aruanda
Chamou papai de Aruanda
Chamou papai de Aruanda

 Cabocla Jurema – Moça Linda

Que moça linda é a Cabocla Jurema,
Ela tem, ela tem seu diadema,
Lá na aldeia oh lá na aldeia,
Ela é rainha tem flecha de Ouro saiote de Pena
É, é um girassol a coroa dela é um girassol,
Sempre a luz do amanhecer,
Sonho lindo de arrebo,
A coroa da jurema é um girassol, é um girassol

 Jurema – Rita Ribeiro

Jurema deu um estrondo
que toda a terra estremeceu
por onde anda os companheiros da jurema
que até hoje não apareceu
jurema
ô juremê juremá jurema
ô juremê juremá
é uma cabocla de pena
filha de tupinambá
rainha das águas e areias
nunca atirou pra errar
é uma cabocla de pena
é uma cabocla de pena
jurema ô juremê juremá jurema
jurema ô juremê juremá
é uma cabocla de pena
filha de tupinambá
rainha das águas e areias
nunca atirou pra errar
é uma cabocla de pena
é uma cabocla de pena
filha de tupi, filha de tupinambá
aê jureme aê jurema
a folha caiu serena lá prá dentro do congá

 Saudação Oxossi e Caboclos
Saravá Oxossi
Okê Bamba
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Abri meu terreiro
Saudei meu conga
Chamei minha banda
Pra vir trabalhar
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Bem vindo essaa casa
que é de Peri
Que ele abençoe  a todos aqui
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Salve Pena Verde
Que vem proteger
No encontro das aguas
de Oxumare
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
As alamas benditas
de Tupiassu
As forças da Terra
de Pai Omulu
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Ja fui em terreiro
Ja vi congá
Ja vi macumbeiro
Aqui em casa tomba
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Cheguei no terreiro
Salvei o congá
Aqui encontrei a padilha e Oxalá
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá
Busquei um terreiro
e cheguei aqui
Sarava o terreiro e o Caboclo Peri
Umbanda Goiô,Goiô de Goiá
Oxóssi é Rei, Rei de Obatalá 

 Oxossi ta no Muzambê

Oxossi ta no Muzambê
Oxossi ta no Muzambê ê.
Na Cidade da Jurema,
Oxossi ta no Muzambê.
Ta no Muzambê ê ê
Ta no Muzambê.
Ta no Muzambê ê ê,
Ta no Muzambê
Oke no coque Odé
A umbanda no coque Ode
Oke no coque Odé
Sarava dia de hoje Odé
Oke no coque Odé
Sarava Caboclo Peri Odé
Oke no coque Odé
Cabocla Jurema Odé
Oke no coque Odé
Sarava Seu Pena Verde Odé
Oke no coque Odé
Sarava Seu Pena Branca Odé
Oke no coque Odé
Sarava Seu Sete Flechas Odé
Oke no coque Odé
Sarava Seu Sete Estrelas Odé
Oke no coque Odé
Sarava Caboclo da Lua Odé
Oke no coque Odé
A umbanda no coque Odé
Oke no coque Odé
Sarava dia de hoje Odé
Oke no coque Odé
Sarava Meu Pai Peri Odé
Oke no coque Odé
Saravá todo caboclo Odé
Oke no coque Odé
Saravá toda cabocla Odé
Oke no coque Odé
Saravá Cabocla Jupira Odé
Oke no coque Odé
Saravá Cabocla Jacira  Ode
Oke no coque Odé
Sarava Cabocla Iara Odé
Oke no coque Odé
Umbanda no coque Odé
Meu Pai Oxossi
Oke no coque Odé
Que nos de muita fartura Odé
Oke no coque Odé
E também prosperidade Odé
Oke no coque Odé
E tambem muita saude
Oke no coque Odé

 Os caboclos vão embora

A sua terra é longe
e eles vão embora
e vão beirando o rio azul
adeus a umbanda que os caboclos
vão embora
e vão beirando
o rio azul
a sua aldeia é longe
e eles vão embora
e vão beirando o rio azul
adeus a umbanda que os caboclos
vão embora
e vão beirando
o rio azul
a sua mata é longe
e eles vão embora
e vão beirando o rio azul
adeus a umbanda que os caboclos
vão embora
e vão beirando
o rio azul 

—–XX—–

Sultão das Matas

Sultão das matas é um rei
É um rei real
Sultão das matas é um rei
É um rei adonveci

Cabocla Jandiara Cabocla do Mar

Nas ondas do mar sagrado enrolado na areia
Vê-se cachos de ondinas e canta a sereia
Muitos perfumes e flores ali vou levar
Pra Jandiara bonita cabocla do mar
ó Jandiara  bonita
Que a luz do sol vem beijar
Até as aves do céu
Em teu louvor vem cantar
Tu és a estrela que brilha
E tudo vem clarear
Dentro do Reino encantado
Pra Deusa, Mãe Iemanjá

 Caboclo Suará

Suará, êeê, Suará,
Suará da mãe de Deus, Suará
êeê, Suará
Você diz que é da Lei, Suará
no terreiro ele é rei, Suará
Tenho meu corpo fechado, Suará
por um santo respeitado, Suará
Eu agora vou me embora, Suará
porque está chegando a hora, Suará
Aqui deixo a minha voz, Suará
vou com Deus e Nossa Senhora, Suará

Cabocla Jurema – Maria Bethânia

Cabocla seu penacho é verde
seu penacho é verde
é da cor do mar
é a cor da cabocla jurema
é a cor da cabocla jurema
é a cor da cabocla jurema
Juremá
Cabocla seu penacho é verde
seu penacho é verde, é da cor do mar

 Chamada Caboclo Pedra Preta

Caboclo da Pedra Preta,
Ele gosta de ver tinir.
Quem não gosta de Umbanda,
O que vem fazer aqui?
Auê, auê Caboclo
Auê, auê eu quero ver.
Auê, auê Caboclo
Trabalha que eu quero ver

 Caboclo Ubirajara Risca ponto

Vou riscar ponto na terra
Pra ver Umbanda girar
Vou riscar ponto na terra
Pra ver Umbanda girar
Vou riscar linha por linha
Pra firmar nosso conga
Vou riscar linha por linha
Pra firmar nosso conga
Que penacho é aquele
É um penacho de arara
Só quem rompe a mata virgem
Só quem rompe a mata virgem
É caboclo Ubirajara